O QUE É O AUTISMO, HOJE?

O Observatório de Políticas do Autismo da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Federação Americana de Psicanálise da Orientação Lacaniana (FAPOL), publica aqui o Fórum de Debates - O que é o autismo, hoje?, realizado no dia 26 de abril de 2017 em parceria com a Universidade FUMEC. Reunindo profissionais ligados à Saúde Mental, educadores, familiares e alguns sujeitos portadores do diagnóstico de autismo, este Fórum teve como objetivo conhecer mais de perto os problemas enfrentados por estes pacientes, suas famílias e aqueles profissionais que os acolhem e trabalham com eles, assim como dar a conhecer como a psicanálise de orientação lacaniana pensa e aborda o que chamamos hoje de autismo. 

O testemunho de sujeitos sobre sua dificuldade de estarem com o Outro mostra como intervenções que levam em conta seu modo de estar no mundo lhes permitem fazer laços. Mães falam sobre seu encontro com a singularidade do filho, o impacto do diagnóstico e as escolhas que optaram por fazer.

Para a psicanálise, mais do que incluir o autista no Outro, trata-se de incluir o Outro nas iniciativas do autista, construindo circuitos que façam função de bordas e possam ser ampliados.

O conceito de espectro autista tenta dizer algo sobre uma menor ou maior abertura ao Outro e o debate sobre autismo e autoerotismo permite pensar o primeiro como uma marca que alude à dimensão do gozo para um ser falante. 

A clínica dos autismo nos leva, enfim, a pensar politicamente a presença da psicanálise na atualidade, para além dos protocolos e classificações, mas também, para além da clínica estrutural.