Ou isto ou aquilo

Cantigas de ninar, cantigas de roda e trava-línguas são formas de expressão muito próximas do mundo da criança. Em "Ou isto ou aquilo", Cecília Meireles utiliza de forma inigualável estes e outros recursos. A autora joga com as palavras, criando um universo encantador, e, de maneira leve, coloca a criança diante dos caminhos a seguir, como no poema que dá nome ao livro: "Ou se tem chuva e não se tem sol/ ou se tem sol e não se tem chuva!/Ou se calça a luva!". Cecília explora a sonoridade, o ritmo, as rimas, as repetições e a musicalidade, como se pode notar em "Rômulo rema": "Rômulo rema no rio./A romã dorme no ramo,/a romã rubra. (E o céu.)". A autora resgata o universo infantil, permeado por perguntas imprevisíveis, monólogos, situações surpreendentes, comparações incomuns, em que a fantasia e a imaginação estão sempre presentes. Nos departamentos com a borboleta no jardim, a bela bola que rola, a casa da avó, a água da chuva e lua, que parece depois da chuva, além de outras cenas e sensações. Sensações estas que parece sempre ter existido, mas que somente a sensibilidade de Cecília Meireles tem o dom de revelar.