Líquidas e Sólidas Capa comum

Entregas para o CEP:
Frete grátis a partir de Meios de envio
  • Livraria e Editora Scriptum Rua Fernandes Tourinho, 99, Belo Horizonte (MG)
    Grátis

As fotos de Líquidas e Sólidas foram tiradas ao longo de 25 anos. As primeiras foram feitas com uma câmera Polaroid Image, que era bastante popular nos anos 1990. São fotos fisicamente moles porque essa Polaroid ejetava fotos “líquidas”, que precisavam de alguns minutos para endurecer. Já as mais recentes foram feitas com uma nova Fuji Instax, que produz fotos mais duras e menos plásticas. Estes diversos estados da emulsão fotográfica das câmeras instantâneas – líquido ou sólido ou pastoso – estão patentes nos resultados, cada um deles revelando-se mais (ou menos) plástico, resistindo ou não às ações físicas sobre o papel. A condição incerta de liquidez ou solidez foi aplicada aos dois principais temas do ensaio – a arquitetura e a natureza das cidades --, onde a vegetação e os vazios urbanos se mostram mais sólidos e permanentes, enquanto a arquitetura derrete-se em paisagens efêmeras e líquidas. Líquidas e Sólidas, então, é um ensaio material sobre essa improvável condição da emulsão, e sobre como aplicá-la àqueles temas. Como o curador e professor Eduardo de Jesus disse no posfácio, ele é radicalmente analógico, todas as suas operações acontecendo no âmbito da palpabilidade da matéria fotográfica. O livro tem quatro capítulos que aludem ao fim iminente do cerrado, à potência das plantas desprezadas, ao fracasso dos ideais modernistas, à celebração da cidade disforme. “Liquefazendo BH” são fotos da arquitetura de Belo Horizonte, seguido por “Árvores Urbanas”, que retrata os fustes de árvores anônimas. O tema da liquefação retorna em “Liquefazendo Brasília”, que combina monumentos modernos e resquícios do cerrado. “Capins” encerra o livro com imagens da ecologia urbana das cidades - a botânica dos lotes vagos, dos canteiros sem desenho, dos jardins espontâneos.