UM DIA NA PRAIA

Início de ano é também tempo de férias. Hora de relaxar das provas estressantes e da rotina da escola. E não há lugar melhor para esquecer os problemas do que a praia: a areia fofinha, o céu azul, o mar e... bota, pneu, garrafa, prancha, galhos, regador. É tudo isso – e mais um pouco – que o personagem criado pelo ilustrador português Bernardo Carvalho encontra em 'Um dia na praia'. Levando ao limite o conceito de livro-imagem, 'Um dia na praia' não traz nenhuma palavra nem mesmo na capa. O título só aparece na lombada, e o nome do autor, na quarta capa. E é também na capa que a história começa, com o banhista sentado embaixo de seu guarda-sol. Ao abrir o livro, assumimos o ponto de vista do personagem, com o olhar perdido no horizonte, observando o mar. De repente, avista um objeto estranho boiando. E depois outro, e mais outro, e mais outro. É então que ele arregaça as mangas e mergulha de cabeça. Usando da reciclagem e de muita criatividade, ele consegue transformar aquilo que antes era lixo em algo bastante útil e ecológico e, de quebra, ainda deixa a praia limpinha para os próximos que virão.